As empresas vem revisando seus orçamentos para investir mais em marketing digital, pois mudam a prioridade para um marketing mais acertivo,que pode ser mensurado e é baseado em ativação e relacionamento, em meio à crescente incerteza econômica e a uma “visão turva” diante do cenário econômico do nosso país.

O digital vem crescendo bastante, principalmente nos últimos 5 anos, levando 32% das empresas a ampliarem seus investimentos de marketing na internet, contra 9% que registraram queda. Isso significa um saldo líquido global de 22,7%, superior a 16,9% no primeiro trimestre de 2017 e ao maior nível desde o terceiro trimestre de 2007.

Esse crescimento nos orçamentos de publicidade na Internet também ajudou a aumentar os orçamentos de marketing. Cerca de 28% do painel de pesquisa registrou uma revisão para cima dos orçamentos no segundo trimestre, em comparação com 15% que diziam que havia caído, resultando em um saldo líquido de 13,8% com aumento de orçamentos.

Isso foi novamente supera os 11,8% registrados no trimestre anterior e significa que a maioria dos comerciantes tem aumentado seus orçamentos por quase cinco anos contínuos. São marcas que precisam cada vez mais estar alinhadas com suas personas e ter um relacionamento muito mais próximo de cada um.

As empresas relatam que a demanda de produtos continua a ser positiva, sustentando a expansão dos orçamentos de marketing, particularmente no digital..

Embora seja bom investir no digital e ter resultados na Internet, vale a pena lembrar que os números do mercado mostram consistentemente que os resultados de marketing mais eficazes de uma relação de marca são de 60:40 (emocional) para a relação de ativação de vendas (racional).

Mais do que nunca, o brandinga construção e fortalecimento de marca – é importante e eficaz.

Os profissionais de marketing estão cada vez mais preocupados com as perspectivas financeiras para seus negócios e sua indústria. Enquanto 30% do painel de pesquisa são mais otimistas sobre as perspectivas financeiras da própria empresa, mais de 20% são menos confiantes, significando um saldo líquido de 9.8%, o menor nível desde o final de 2012.

Com o equilíbrio, pensamos que as ameaças para as perspectivas são reais e vão pesar sobre o crescimento do investimento publicitário e outros custos no futuro previsível.
E as percepções das perspectivas mais amplas da indústria pioraram ainda mais. Enquanto 14% são mais confiantes, 26% são menos, levando a um saldo líquido de -12,6% e marcando a segunda menor leitura em 4,5 anos.

E O FUTURO?

Uma coisa é certa, em tempos de crise enquanto uns cortam gastos e investimentos fundamentais para o crescimento da empresa, outros investem pesado e começam a fazer a diferença hoje para amanhã ter mais espaço. É moldar a cultura hoje para ter um impacto duradouro no futuro.

Lembre-se: Qualquer mudança representa uma grande oportunidade de superar seus concorrentes.

Quem não se adapta ao digital, paga um preço alto! Você está preparado para as mudanças que estão por vir? Fique à vontade para entrar em contato e trocar uma idéia com a gente.